Pretinha ama dar o cu

4 min

Categoria:

Tag:

visualizações

4 min

Categoria:

Tag:

Pretinha ama dar o cu

Pretinha ama dar o cu

Tudo começo quando agente foi passear em uma pracinha que tinha perto da minha vo quando vimos dois cachorros transando na época tínhamos 11 anos e não sabíamos o que era aquilo de pois fomos em bora eu lembrando da cena fomos brinca e perguntei se ela queria brinca de cachorrinho ela lógico aceito e logo fiquei em cima dela pra fazer igual ela disse mais vamos fazer igual o da pracinha tira a roupa ele tava colocando o negócio no outro e vc tem um parecido primo eu fui e subi nela e coloquei logo meu pinto na bunda dela ela disse que gostoso brinca disso ela viu meu pinto duro e disse vai primo eu fui e comecei a esfrega nela ela rebolava e tava bom e não gozava ainda mais mesmo assim fui ótimo lambi o rabinho dela aquela bunda pretinha pois ela é mulata bem gostosa e lambi sua buceta igual cachorro ela gemia e fico molhadinha em fim nossa vo nos chamos e tive que para mais teve mais nos próximos conto o que foi acontecendo durante esses anos""Ana Paula e Daniel se conheceram no colégio, começaram a ficar, de ficada em ficada, resolveram namorar sério, terminaram o colegial, entraram na faculdade. QUE LEGAL! ERA UM QUERIDO CASAL DE AMIGOS, TRAZENDO UMA PICANHA PARA FAZERMOS CHURRASCO.

Tinha diversas chamadas perdidas (estava no silencioso) mas nenhuma do Gustavo, mudei o perfil pra geral, fui ao banheiro e desci pra preparar algo pra comer, afinal eu queria estar bem fortinha a noite neh, rsrs…As 16:08 o cel tocou, cm eu estava com ele na mão já apreensiva atendi quase que de imediato.

Eu gemia, ainda de olhos fechados, sentindosuas estocadas fortes e seu pau que pulsava dentro da minharata, enquanto ele começava a gozar, ainda sem diminuir o ritmo.

Eu tenho 20 anos, pele morena, 1,60 de altura, não tenho um corpão de dar inveja mas ele chama bastante atenção assim mesmo. Espalhei mais óleo sobre seu corpo e fui massageando caprichosamente e ampliando o campo da massagem.

Meu “tatara tataravô” tinha uma fazenda de café aqui no sudeste na época que ainda se utilizava trabalho escravo.